'Senhores juízes, condenem e prendam Lula já!'

'Senhores juízes, condenem e prendam Lula já!' 
Na ISTOÉ, em artigo especial, Antonio Carlos Prado se posiciona e pede a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele começa o artigo dizendo que é defensor do Estado de Direito e que só concorda em condenar uma pessoa desde que tudo seja feito dentro do âmbito da legalidade.

Tendo sido isso posto, Prado afirma que a prisão do ex-presidente deveria ter sido “pra ontem”.

Corajosamente, incita os juízes que possuem provas e documentação suficiente a colocar Lula atrás das grades sem demora.

Da mesma forma que ele afirma que é defensor do Estado de Direito, também afirma que o mesmo não é sinônimo de morosidade ou passos de tartaruga.

“Assim como os magistrados sabem, nos mínimos detalhes, os motivos para prendê-lo, Lula também sabe muito bem o porquê estaria sendo preso. Lula é esperto, sabe sim”, explicita em artigo, o autor da carta ao magistrado.

Lula e a presidência
Segundo ele, Lula está se candidatando à presidência para retardar ainda mais o inevitável: seu encarceramento. A candidatura, segundo Prado, é o que Lula está usando para evitar o que já deveria ter acontecido diante das inúmeras evidências de ligações dele com o “maior esquema de corrupção da história do país”.
Sem papas na língua, ele ainda diz que tentaram dar a Lula o ministério para evitar a condenação, agora ele próprio, Lula, tenta dar a si o Palácio do Planalto, elegendo-se presidente.

Inadmissível ainda, de acordo com ele, que os mesmos que tentaram dizer que o “impeachment” era ‘golpe’, diga agora que Lula será preso para que não ganhe a eleição.

Antonio Carlos Prado reconhece que os advogados cumprem sua função, que é a de prolongar o que já é moroso, assim como afirma que o juiz Sérgio Moro agiu dentro do Código de Processo Penal e desarmou a armadilha quando afirmou: “ele responde sobre fato apenas. A impressão é que a defesa está fazendo propaganda política”.

Ele termina dizendo que Lula, ao dizer agora que é o povo que o quer na presidência, e não ele, está fazendo o mesmo que Getúlio Vargas fez em 1945 (dizendo que não é ele que quer a candidatura, e sim o povo), ou seja, mentindo. Era mentira na época de Vargas e é mentira agora. É só mais uma tentativa de evitar a prisão e que isso é dito dentro do próprio PT.

Suas palavras, ao encerrar sua “carta-artigo” fazem referência ao título: “Condenem e prendam Lula. É para ontem.”