Lula faz discurso eleitoral dizendo - "Eles que peçam à Deus para eu não ser candidato em 2018"

Lula faz "campanha eleitoral à Presidência em 2018" na cidade paraibana de Monteiro, ao reivindicar paternidade na transposição do rio São Francisco 
Com toda certeza meus amigos eleitores - Gostaria muito ver o "cabra macho" que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) representou ser na cidade paraibana de Monteiro neste domingo (19) quando estiver frente a frente com o juiz Sérgio Moro no dia 3 de maio em Curitiba. 

Segundo notícias, o ex-presidente se achou no direito em falar praticamente como candidato a eleições de 2018, em um palaque montado pelo PT, em uma cerimônia extraoficial de inauguração do eixo leste da transposição do rio São Francisco, onde chegou à reivindicar ser o pai da obra.

"Dilma e eu temos orgulho de dizer: nós somos o pais, mãe, irmão, tio, primo e sobrinho da transposição das águas do Dão Francisco", disse o petista. A verdade é que Lula deve ter sentido muita raiva, quando o presidente Temer esteve no mesmo local para a inauguração oficial, principalmente quando Temer disse que "a paternidade da obra é do povo brasileiro e do povo nordestino".

Lula que estava acompanhado por petistas com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) cassada pela Câmara e pelo Senado no ano passado por cometer crime de responsabilidade fiscal. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que perdeu para seu rival João Doria (PSDB) já no primeiro turno. O presidente nacional do PT Rui Falcão, que sempre crítica a operação Lava Jato, e a conduta do juiz Sérgio Moro. A senadora Gleisi Hoffman, que é ré no Supremo Tribunal Federal por ter recebido vantagens no valor de R$ 1 milhão de reais para sua campanha em 2010.

O que chama minha atenção neste caso meus amigos, foi a tamanha cara de pau do ex-presidente Lula dizer que "está longe de definir candidatura", e que só poderia fazê-lo com a aprovação do PT. E fazendo alguma referência a Lava Jato e disse: "Eles que peçam a Deus para eu não ser candidato. Se eles quiserem brigar comigo, eu vou brigar com eles nas ruas desse país". Outra que chamou atenção pelo seu discurso metódico, foi a ex-presidente Dilma, que acusou a operação Lava jato em promover um "segundo golpe". - "O objetivo é impedir que candidatos populares sejam colocados à disposição do povo. O Lula é esse candidato". disse Dilma Rousseff.

(Conteúdo VEJA) E ELEITOR NEWS