Marisa Letícia tem morte cerebral e médico diz que é irreversível


Após piora drástica em seu estado de saúde, fontes do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, informaram que já não há atividade cerebral na ex-primeira-dama Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Lula. "Já não há fluxo cerebral", disse o médico Roberto Kalil, que considera o quadro "irreversível". Ele se referiu ao fluxo sanguíneo.

Ela sofreu um acidente vascular-cerebral (AVC) e foi hospitalizada no dia 27 de janeiro. Os médicos optaram por mantê-la em coma induzido. Nascida em 1950, ela tinha 66 anos.

Nesta terça-feira (31), os médicos diagnosticaram um quadro de trombose venosa profunda nas pernas, que poderia provocar embolia pulmonar. Nesta quarta, por volta das 15h, os médicos começaram a diminuir os sedativos que vinham sendo aplicados. Mas o quadro continuava se agravando, segundo Kalil.

Próceres petistas, como Paulo Okamoto, tesoureiro de Lula, atribuem o AVC de Marisa Letícia às tensões decorrentes das investigações contra seu marido, mas a verdade é que ela convivia havia 14 anos com um aneurisma cerebral que não quis operar, optando pelo seu controle com medicamentos. Foi esse aneurisma que rompeu.

Marisa trabalhava como inspetora de alunos em um colégio estadual, no ano de 1973, já viúva, quando conheceu Lula no Sindicato dos Metalúrgicos de sua cidade. Casaram-se sete meses depois e tiveram três filhos: Fábio (“Lulinha”), Sandro e Luís Cláudio.

Créditos PAPOTV