Em brilhante estratégia, juiz Sérgio Moro arranca confissão de petista

Em audiência no processo que investiga o ex-presidente Lula pela propriedade de um tríplex, o juiz Sérgio Moro gastou boa parte de suas indagações ao ex-governador Tarso Genro para tratar de uma curiosidade sobre a possível refundação do PT, informa O Globo.

Argumentando que queria entender a relação do partido com seus subordinados, o juiz mostrou interesse, principalmente, sobre como esse projeto lidaria com integrantes acusados de corrupção, como José Dirceu e Delúbio Soares.

Diante do interesse de Moro pela refundação do PT, o próprio advogado de Lula tentou fazer com que o assunto não fosse explorado.

Moro questionou, então, se envolvidos no mensalão, como Dirceu e Delúbio, foram punidos pelo partido após suas condenações pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Após as respostas de Tarso Genro, o juiz voltou a perguntar se, nessa defesa de refundação, haveria reconhecimento desses ilícitos ou se seriam tomadas providências.
Na resposta, Genro afirmou que a refundação planeja verificar o que determinou os desvios de conduta no PT.
— Vivemos em um estado de direito, as instituições tem que funcionar para fazer suas investigações, julgar conforme a lei e aplicar as consequências em cada pessoa que é responsabilizada e que tem os seus fatos delituosos eventualmente provados - disse.

Tarso Genro se tornou o principal líder do grupo que defende a refundação do PT. Ele disse que a derrota petista nas últimas eleições municipais foi provocada, entre outros motivos, pelos erros cometidos pelo partido "tanto na relação com o Estado como nos financiamentos eleitorais".
Genro assumiu que houve desvios de conduta. Sérgio Moro é mesmo um cara brilhante.
Créditos papotv.com